jusbrasil.com.br
19 de Novembro de 2017

Advogado, cobre! Você não faz fotossíntese

Do porquê de perguntar SE cobramos ao invés de QUANTO.

Amanda Cunha Advogada e Consultora, Advogado
há 2 anos

Em todas as nações livres, os advogados se constituem na categoria de cidadãos que mais poder e autoridade exercem perante a sua sociedade” (RUY BARBOSA)"

Peço a atenção dos colegas e de nossos visitantes que nos procuram para tirar dúvidas e porventura nos contratar." O simples fato de ser representado por advogado particular não retira o Direito à Gratuidade de Justiça ".

Trabalho com advocacia do Consumidor (dentre outras, embora este seja meu nicho). Tenho especialização em Direito Bancário, Pós-Graduação. Vivo em constante pesquisa, leitura e atualização. Vou à Julgamentos de Recursos para acompanhar os entendimentos das Turmas, Câmaras, Desembargadores, Ministros. Assisto TV Justiça, pesquiso para fazer publicações. E ainda tem todo o trabalho e gestão.

Particularmente? Perdi pouquíssimas ações em 7 anos de exercício da advocacia, e me considero, modestamente, uma excelente advogada. Mas não estou falando em ter mais capacidade, ou inteligência acima da média. Eu me esforço, eu me desafio. Eu ensino. Agora estou ajudando recém formados a falar em público de forma prática em uma sustentação oral, isso eu sempre fiz com naturalidade, sempre apreciei falar em público.

Quantos de nós estamos olhando no espelho e falando: Sou um (a) excelente profissional? Surpreendentemente não muitos. E muitos que conheço e que o são! Pesquisei de forma" superficial "e cheguei até uma situação que vem me incomodando: Na verdade a DESvalorização vêm de" clientes "cuja cultura" no Brasil os convenceu que nós somos herdeiros, ou que assim que se sai da faculdade de Direito o dinheiro é automático e TEMOS que ADVOGAR, atender, pensar, escrever teses, desenvolver um projeto DE GRAÇA.

Advogado Cobre Voc no faz fotossntese

Daí o título. Porque essa é nossa profissão, nosso trabalho e nosso"GANHA Pão"!

Fico frustrada quando um cliente não me valoriza a ponto de não me pagar em dia e inventar (sim, porque todo mês...) uma desculpa de última hora para não efetuar o pagamento ou fazê-lo sem a devida correção contratual. Como em documento do grande Luciano Larrosa (clique aqui para ver) nós podemos"fugir"deles, evitá-los. Mas o que mais me incomoda é a surpresa, o choque ao cobrarmos uma consulta. Espera-se realmente que passemos orientação de qualidade, nosso conhecimento, e que montemos uma ação por nada. Para uma "talvez"(não existe causa ganha), "pode ser" valor vindo de uma indenização daqui a dois anos? E o durante? O trabalho, as audiências, despachos. E a sua estrutura? Seu material?

Artigo 133 – O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei.CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Transcrevo um desabafo que foi impossível conter ao ser "confrontada" da razão pela qual eu não aceitava entrar com uma ação complexa para "receber ao final".

Boa noite XXXXXX,

Como todo profissional (médicos, dentistas, psicólogos, etc) não é possível prestar serviços sem nenhum valor. A obrigação do advogado é de meio, ou seja, prestar serviços de qualidade para tentar dentro da possibilidade legal e jurídica, entregar a solução para o cliente. Estamos, nós advogados, cobrando muito abaixo do que OAB determina. Deve-se levar em consideração além de nossa formação (estudamos e continuamos estudando, indo a julgamentos, seminários) o tempo que se dá orientação ao cliente, depois analisar o caso dentro da lei que se aplica, fora o que não pode ser ignorado, Gastos. Para trabalhar, como qualquer escritório paga-se água, luz, telefone, internet, papel. Temos que ter códigos atualizados, não usamos internet para estudar profundamente (a não se aulas e livros virtuais que não são muito mais baratos que os impressos).

Quando um advogado pega uma causa e só cobra ao final, em uma causa que pode levar dois anos, SEM NENHUM pagamento ele está tirando passagens, transporte, avaliação, material, cópias, TUDO do bolso dele e como ganhar não é uma garantia por melhor que sejamos, ainda há o risco de PERDER todo este dinheiro. Eu questiono: O senhor trabalharia o ano inteiro para receber somente em dezembro? Os advogados que têm aceitado "receber ao final" geralmente têm causas em excesso e não fornecem um trabalho de qualidade pela sobrecarga, ou então estão com dinheiro, aceitam mas podem demoram séculos para dar entrada. (veja não é regra, mas todos conhecemos casos assim - nota da autora).

Cada vez que alguém se surpreende com o óbvio, que é um profissional cobrar por uma consulta, me sinto profissional e pessoalmente desvalorizada. Porque somos muito bons aqui, garantimos qualidade e nos sacrificamos para poder investir em material de estudo para fornecer esta qualidade. Em 8 anos advogando, perdi menos de 10 causas, sendo que eu avisei aos clientes que não era uma boa opção insistir na Ação. Tive discernimento mas dei ao cliente a chance de discutir. Eu brigo pelos meus representados, mas brigo por mim e meus colegas. Advogado bom cobra consulta E para dar entrada. Sempre que possível flexibilizamos, principalmente no contexto atual, mas contar com o privilégio de um advogado particular sem dar a ele chances de desenvolver um bom trabalho é inviável.

Segue valores que a OAB determina que cobremos para que avalie o quão vantajoso é ter uma advogado particular pelo valor cobrado, repito: o senhor não faz ideia de como nosso cotidiano para lutar pelo direito de nossos clientes é estressante. Imagine sem pagamento? Como nos sustentaremos para trabalhar? Temos que trabalhar para viver não o contrário. Espero que entenda que isso é para reflexão de que é surreal querer "contratar" alguém para "trabalhar de graça". É de graça porque se o senhor ganhar, o valor da indenização de onde sairia o pagamento vem da instituição ré. O Contratante deve ser responsável pelo seu contratado. O Brasil é o único país com a cultura de perguntar SE o advogado cobra e não QUANTO.

Advogado Cobre Voc no faz fotossntese

Enquanto este e demais clientes em potencial tiverem "portas"para bater, pechinchando por um serviço indispensável à Justiça como está na Constituição Federal, teremos advogados com dificuldade de cobrar, receber e viver de sua profissão. Um médico cobra (no mínimo) R$100,00 para ficar 5 minutos com um paciente. Nós passamos de uma a duas horas ouvindo e se entende que é gratuito? Por quê? Cabe a nós agirmos para promover a mudança. Nós somos os profissionais formados para a resolver problemas jurídicos. Nós somos os "solucionaDORES".

Quando uma pessoa tem sérios problemas de saúde paga qualquer coisa que tiver para obter tratamento. Se um potencial cliente tem um problema "urgente" e o considera importante e quer um advogado privativo ele precisa remunerar este profissional.

Me utilizando da frase da Thaíza Vitória:"JUNTOS Somos Fortes".


Recomendo o texto citado: http://http//coachingparaadvogados.jusbrasil.com.br/artigos/214011115/6-clientes-que-devem-ser-evitados

Pela Valorização do advogado, pelo nosso sustento e para que possamos ser profissionais melhores.

241 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Excelentes argumentos, Dra. Amanda. Há profissionais que sofrem de baixa autoestima e, como não poderia deixar de ser, transferem este problema, que aliás deve ser tratado, para o trabalho. Devemos, sim, cobrar por consultas e lutar por honorários dignos. Dignos de nossa dedicação, dignos da qualidade do nosso trabalho, dignos do nosso estudo. Parabéns. continuar lendo

Não se pode deixar a sanha arrebatar a nossa estabilidade.

É necessário entender, que advogado é uma pessoa tida como "mau caráter". Aquele que se apropria e expropria o/do “suado” dinheirinho de seu cliente.

Os clientes mais tranquilos de se lidar, são aqueles que vêm buscar o entendimento antes de realizar um “negócio”; aquele que erra e somente depois vai buscar um advogado, já tem contra si a ira de não ter tido o necessário cuidado e a necessária sabedoria para não errar.

Cabe a cada um saber até onde está disposto a rifar seus conhecimentos e leiloar o seu trabalho; claro que há pessoas que não têm capacidade financeira de contratar um, porém, esses não são o problema.

Para na porta do escritório, um carro de luxo, dele sai uma deslumbrante celebridade; sensacional! Que nada. Ledo engano.

Porém aqueles que se dedicaram a estudar e viver da Advocacia, nada de perturbações. Apenas atendam os clientes que é interesse do Advogado, salvo alguma exceção, pois, ele é um ser humano de carne e osso igual a qualquer outro.

Em se falando em honorários, temos a notícia que está nos noticiários de hoje, um sensacionalismo, é a Dra. Advogada das pessoas que aceitaram fazer a sua “delação premiada”.

Consta que sobre ela existem pressão, por parte de algum/alguns integrantes do Congresso, inclusive havendo a possibilidade de deixar a advocacia e até mesmo o país. O que mais chama a atenção, é a pergunta que queriam que ela respondesse:

Como seus clientes pagam seus honorários?

Buscou respaldo no STF para não responder. Mas, creio, ser a resposta muito simples e até mesmo inocente.

Poderia ser algo assim:

Igualmente pagam Vossas Excelências, com o dinheiro proveniente do trabalho “suado” de cada um.

Enfim, Advogados. continuar lendo

Muito bom!

O que esta faltando mesmo é os advogados serem mais unidos para evitar esse tipo de coisa e mudar essa cultura de que o advogado não deve ser pago pelos seus serviços. continuar lendo

Totalmente de acordo. Na verdade este é o objetivo do artigo/desabafo. Trancar as portas aos que gastam R$ 150,00 em Mc Donalds e não pagam ou não querem pagar um profissional gabaritado para representá-lo.

Obrigada pela leitura e comentários. continuar lendo

Passei a cobrar consultas, o resultado foi positivo, temos nos primeiros meses realmente teve cancelamentos de atendimentos, mas depois, os mesmos que cabcelaram voltaram, uma delas me disse que estava sem o dinheiro da consulta na data marcada mas assim que recebeu veio, ou seja, isso tem de se tornar prática comum, aqui na minha cidade lotada de advogados poucos fazem isso, mas compensa, quem não puder pagar que procure a defensoria, escritorios -escola ou algum bacharel.
Outra coisa, importante salientar, a Cartier, Mercdez, Ferrari quando produzem seus produtos estão pouco se lixando se eu ou você temos dinheiro para comprá-los, adotei esse raciocínio para os meus serviços com bons resultados. continuar lendo

A valorização de qualquer profissão deve ser uma constante por aqueles que a exercem e sei que vou "colocar a cara a tapa" e acho que mesmo fora de contexto etc etc a colocação "quem não puder pagar que procure a defensoria, escritorios -escola ou algum bacharel.
Outra coisa, importante salientar, a Cartier, Mercdez, Ferrari quando produzem seus produtos estão pouco se lixando se eu ou você temos dinheiro para comprá-los, adotei esse raciocínio para os meus serviços com bons resultados." pegou mal, cada um tem seu nicho de trabalho. continuar lendo

Não entendi porque pegou mal. Se o trabalho tem qualidade, precificá-lo é uma forma de atingir um nicho de mercado mais interessante. continuar lendo

Nobre colega de profissão, estou muito feliz por ter lido seu texto! Tenho o mesmo sentimento e gostaria muito de arranjar uma solução para isso!

Infelizmente, por mais que tentemos cobrar por nossos serviços de forma justa (Tabela da OAB), sempre existe aquele infeliz profissional que se digna a cobrar preço aviltantes para fazer seu trabalho.

Acredito que esse infeliz profissional prejudica toda a nossa classe, e por essa razão, por mais que devamos estar juntos, deveríamos fiscalizar (para não dizer denunciar) essas situações absurdas.

Sabemos que o modo mais eficaz de fazer com que todos recebessem pela tabela, seria se todos cobrassem por ela. Mas como fazer com que todos façam isso?

Na minha modesta opinião, como nas multas de trânsito! "Eu não ultrapasso o sinal vermelho porque sei que receberei uma multa e além do que irei desembolsar (R$), e se continuar a repetir, perderei minha carteira".

Fiscalização, penalidade pecuniária e perda da carteira.

Mas como fazer isso? Como fazer a OAB ser mais incisiva?

Concorda comigo? Qual tua opinião? continuar lendo

Concordo que a OAB deveria fiscalizar e dar mais atenção às nossas denúncias.

Ela gosta tanto de ser pública então poderia se manifestar em rede nacional para explicar ao leigo que o advogado privado é um ser humano que também tem direito à comida (no mínimo).

Vamos seguir juntos para unificar a profissão. Abraços. continuar lendo

Concordo, mas o Tribunal de ética tem tanta Reclamação por advogados
que enganam Clientes, e ficam com todos os ganhos do Cliente na
causa (e pouquissimos perdem a carteira), imagina fiscalizar quanto cada um cobra para dar consulta e etc.

Devemos nos valorizar sim e mostrar ao nosso cliente as dificuldades e
os riscos da demora do resultado do processo. continuar lendo

A OAB esta muito ocupada com o trânsito nas marginais do Tietê e do Pinheiros e em defender os arruaceiros em manifestações ou a marmanjos de 17 anos que estupram e assassinam, não lhe resta tempo para fiscalizar advogados ou punir aos que emporcalham a profissão. continuar lendo